Atenção: Esse site só pode ser visualizado perfeitamente em um browser que suporta Web Standards. É recomendável que você atualize o seu browser clicando aqui. Obrigado e desculpe o transtorno.
HOME
PROJETOS
DETALHES

[Pesquisa] Transformações do ativismo no Brasil: Junho de 2013 em perspectiva comparada

A pesquisa aqui apresentada ambiciona compreender os sentidos e significados dos protestos ocorrentes no Brasil em 2013, de modo a contextualizá-los, empírica e teoreticamente, em um marco de transformações sociais mais amplas no país e em um contexto global de reconfiguração do ativismo e das lutas sociais. O ânimo da investigação acadêmica a ser conduzida é acrescentar à plêiade de trabalhos referentes às manifestações multitudinárias observadas no Brasil em 2013 um enfoque que possibilite o suprimento das seguintes lacunas, até aqui detectadas na produção histórica e científico-social sobre o assunto: i) a devida localização dos atores, das práticas e das gramáticas notadas nas ruas em 2013 diante de processos e transformações sociais de maior amplitude e alcance, de modo a se entender as mobilizações como componentes de conflitos sociais cuja processualidade os precede e os sucede; ii) o entendimento comparativo das distintas dinâmicas associadas aos protestos de 2013 em diferentes localidades, com o objetivo de se entender o que há de geral nas práticas ativistas do Brasil contemporâneo, assim como as demandas, formas organizativas e interações sociais específicas nas cinco localidades a serem pesquisadas, quais sejam, Rio de Janeiro, Vitória, Goiânia, Porto Alegre e Belo Horizonte e; iii) a compreensão dos repertórios, reivindicações e padrões de relação entre Estado, mídia, mercado e ativistas, para além de clivagens como ?novo? e ?velho?, com vistas ao entendimento das relações sincrônicas entre diferentes perspectivas e tradições de processamento dos conflitos sociais no contexto das manifestações de 2013.

Estes propósitos serão alcançados por meio de uma pesquisa interinstitucional (cinco universidades localizadas em estados diferentes integram a equipe) e interdisciplinar (a pesquisa é desenhada a partir de diferentes campos do saber e a equipe conta com pesquisadores ligados a programas de pós-graduação em áreas diversas, como sociologia, ciência política e direitos humanos) que inclui atividades de extensão com estudantes e professores da educação básica. Diante deste cenário, a pesquisa discute a hipótese de que os protestos de 2013, usualmente denominados ?Jornadas de Junho?, se expressam como signo agudo de um processo de surgimento de novos atores e práticas no ativismo brasileiro, o qual, por sua vez, se afigura como traço de significativas transformações sociais e políticas vividas pelo país neste início do Século XXI e após o curso de mais de um vintênio do início da transição entre a ditadura militar e a Nova República. O tipo de estudo adotado para a execução da proposta é a pesquisa comparativa, orientada por fontes secundárias (estudos já publicados, bases de dados públicas, reportagens etc) e primárias (decorrentes de técnicas como grupos focais, entrevistas em profundidade e observações participantes). Os dados coletados serão analisados a partir de uma eclética paleta de técnicas, oscilantes desde a hermenêutica até a análise de conteúdo por meio de softwares específicos, a exemplo do NVIVO.

Parte a ser desenvolvida pelo Organon/UFES:

Transformações do ativismo em Vitória

O projeto também contempla um pedido de bolsa de mestrado para o Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFES. O bolsista a ser selecionado desenvolveria junto à equipe local de Vitória uma investigação sobre a configuração dos coletivos de jovens na cidade de Vitória/ES no período que antecede e no período posterior aos protestos de Junho de 2013 nesta localidade. A participação de jovens nos protestos foi observada nas análises de diferentes casos de protestos no contexto de 2013 e trata-se de questão central no presente projeto, pois permitiria gerar uma dissertação de mestrado autônoma, mas fortemente vinculada à proposta geral. Na cidade de Vitória jovens se mobilizaram em torno de diferentes questões tendo como características comuns a negação dos partidos e formas hierarquizadas de organização. Conforme os próprios pesquisadores da equipe da UFES vem pesquisando, esses jovens já vinham em um processo de mobilização local, utilizando como repertório o protesto de rua e ocupação do espaço público. Observou-se a realização de Marcha das Vadias, protestos do Movimento Passe Livre, formação de coletivos de cultura e midiativismo, entre outros. Após os protestos de Junho de 2013 novos coletivos foram criados e eventos de protesto ocorreram (como o #OcupaSecult) e formas organizativas precedentes deixaram de existir (como o MPL). Este projeto buscará compreender o processo de confronto político (tal como formulado por autores como Doug McAdam, Charles Tilly e Sidney Tarrow) de Junho de 2013, tomando como referência a participação da juventude e buscando compreender o ciclo mais amplo que envolve as formas organizativas pré e pós Junho de 2013.

A pesquisa envolve o mapeamento dos coletivos e eventos de protestos de jovens em toda a cidade de Vitória compreendendo um período pré-2013 que será definido oportunamente em pesquisa exploratória na primeira etapa do projeto. O mesmo ocorrerá com o período pós-2013. Os tipos de mobilização serão classificados por regiões da cidade, questões reivindicadas, faixa etária, escolaridade, formato organizativo. Definidos os casos buscaremos traçar as trajetórias de alguns coletivos selecionados e de alguns ativistas, buscando perceber os significados atribuídos à mobilização e à participação política de forma mais ampla. Para além dos temas reivindicados nos interessa, sobretudo, compreender os mecanismos que modificam os processos de mobilização e os que geram desmobilização.

Assim, os objetivos principais do projeto de mestrado a ser executado pela equipe da UFES são: 1. Mapear os coletivos de jovens da cidade de Vitória; 2. Observar mudanças nas formas organizativas, repertórios e performances dos jovens; 3. Compreender os significados que a juventude atribui à mobilização política; 4. Compreender os mecanismos de desmobilização; 5. Contribuir para o entendimento dos grandes processos de mobilização de massa, tais como, ocorreram em Junho de 2013;

EQUIPE

Projeto Interinstitucional (UERJ/UFMG/UFG/UFES/UFPel)

Coordenação geral: Breno Bringel (IESP/UERJ)

Coordenadores nas instituições parceiras:
Cristiana Losekann - UFES
Francisco Mata Machado Tavares - UFG
Luciana Balestrin - UFPel
Ricardo Fabrino Mendonça - UFMG


Equipe Organon:
Coordenação: Cristiana Losekann
Pesquisadores participante:
Patrícia Pavesi - Profa. PGCS
Igor Suzano Machado - Prof. PGCS
André Z. Tosta - Mestre em Ciências Sociais
Ana Caroline Sá - Graduanda DCSO

FINANCIADORES

Contemplado no edital Capes Memórias Brasileiras - Conflitos Sociais

PUBLICAÇÕES