Atenção: Esse site só pode ser visualizado perfeitamente em um browser que suporta Web Standards. É recomendável que você atualize o seu browser clicando aqui. Obrigado e desculpe o transtorno.
HOME
SOBRE

Sobre

Apresentação

O Organon é um Núcleo de Estudo, Pesquisa e Extensão em Mobilizações Sociais do Departamento e do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da UFES. O tema central de trabalho é a ação coletiva desempenhada por movimentos sociais e organizações da sociedade civil com finalidades de mudança social, participação e contestação política. Fazem parte do Organon o GETPol - Grupo de Estudos em Teoria Política contemporânea, o Mapa das Mobilizações e o Observatório de Ações Judiciais de relevância às causas coletivas. Elementos conceituais norteadores

O Núcleo insere-se em debates recentes desenvolvidos na teoria política e social acerca da democracia, da mobilização social, da participação e da justiça social. Assume-se que a ampliação da democracia não pode ser alcançada sem que se coloque em questão os desafios da justiça social. Entende-se que as questões da participação e da conquista e concretização de direitos estão interligadas. Sendo assim, propomos um conjunto de investigações, estudos e ações que trabalham tanto do sentido de pensar e promover a participação social, quanto de analisar e promover direitos.

Universidade e conhecimento

Do ponto de vista da concepção de Universidade que norteia o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da UFES, a extensão é uma atividade integrada com o ensino e a pesquisa. Além disso, o Projeto Político Pedagógico (PPD) do curso de Ciências Sociais prevê uma carga horária em atividades complementares às da sala de aula para que o aluno possa concluir o curso. Entende-se, portanto, que as atividades de extensão, ensino e pesquisa devem estar integradas e que são fundamentais para a formação dos futuros cientistas sociais. Neste sentido a proposta do Organon é articular em seus projetos sempre as três dimensões do trabalho universitário.

Refletindo sobre o processo educacional, consideramos também que a interação entre diferentes sujeitos - técnicas(os), acadêmicas(os), agricultoras(es), pescadoras(es), entre outros - é essencial no sentido da valorização de diferentes saberes e não somente o que provém da academia. O cumprimento da Função Social da Universidade está intimamente ligado com a permanente e cotidiana interação com a sociedade em geral.


Princípios gerais de atuação:

1. Compromisso com projetos que articulem efetivamente ações de ensino, de pesquisa e de extensão.

2. Manter-se como um espaço de autonomia para os estudantes e pesquisadores em geral, onde as decisões são tomadas a partir de um processo coletivo de discussão.

3. Fomentar o aprofundamento do conhecimento, mas também a criatividade oportunizando trabalhos experimentais e inovadores.

4. Compromisso com uma postura crítica e em permanente debate sobre aspectos éticos da conduta em pesquisas e ações de extensão.

5. Preocupar-se com a função social da universidade e sua posição em um contexto social e político mais amplo.

6. Buscar extrapolar a dimensão teórica e compreender que o conhecimento se dá em vários espaços, sendo um deles aquele produzido pela universidade.

Compromissos específicos de atuação:

1. Oportunizar, periodicamente, a realização de arenas públicas enquanto espaços para a manifestação e elaboração criativa de dilemas, diferenças e antagonismos presentes nas práticas de ação coletiva, sobretudo, tendo em vista os desafios das relações entre Sociedade e Estado.

2. Elaborar e apoiar formas de visibilizar as lutas, bandeiras e demandas sociais, já bem estabelecidas, ou aquelas em construção.

3. Construir ferramentas que permitam compreender os conflitos que atravessam os movimentos sociais, as organizações da sociedade civil em geral, e também, os confrontos com o poder público.

Projetar a posição política e ativa da Universidade enquanto partícipe dos dilemas e conflitos sociais e políticos, buscando favorecer a mobilização dos atores e colocando-se enquanto ator.


Estrutura interna:

GETPol - Grupo de Estudos em Teoria Política Contemporânea

O grupo dedica-se ao estudo e pesquisa em temas da teoria política contemporânea, tais como: democracia, justiça, participação, deliberação, representação, sociedade civil, movimentos sociais, Estado e ambientalismo. A agenda atual de trabalho compreende pesquisas sobre a mobilização do direito enquanto repertório de ação coletiva, sobretudo, no ambientalismo. Mantemos um grupo de estudos, GETPol - Grupo de Estudos e Pesquisas em Teoria Política, com a realização de um Colóquio bienal no qual apresentamos as pesquisas em execução no momento.

ACESSE O SITE

Arenas públicas:

As arenas públicas de debates, espaço abertos para a troca de ideias, diálogo, enfrentamentos e confrontações entre os próprios integrantes de movimentos, organizações e comunidades e entre estes e atores do Estado.

Essa proposta sugere que as pessoas exponham suas posições, ideias, incertezas, de maneira argumentativa ou através da expressão estética, emocional e espontânea. Os temas e métodos são definidos previamente, a partir de formas já amplamente utilizadas por movimentos sociais, comunidades e associações, mas permitindo inovações, espontâneas ou projetadas.

Através de experiências tais como, oficinas, encontros, saídas de campo, toxic tours, videoclubismo, performances artísticas, mareatas, caminhadas, expedições, entre outras, buscamos fomentar espaços de manifestação e elaboração dos conflitos internos à sociedade civil e entre esta e o Estado. Entendemos que os conflitos não são ruins, mas fundamentais para a democracia, porém precisam de espaços para serem elaborados e expressos.

Do ponto de vista teórico, estudos inovadores sobre a participação têm afirmado que as emoções, a estética e a experiência (enquanto fato situacional também) são fundamentais nas práticas de movimentos sociais, porém poucos estudos e poucas iniciativas institucionais valorizam isso.

O trabalho desenvolvido pelo Organon tem mostrado que muitos são os desafios internos à sociedade civil, como a combate ao machismo, ao preconceito racial e étnico, geracional e locacional. Nesse sentido, continuamos apostando que o aspecto inter-temático e a espontaneidade das arenas são fundamentais para a participação e conquista de direitos.

Mapa das Mobilizações:

Mapeamento de mobilizações formalmente organizadas e/ou episódicas, relacionando seus temas, performances e repertórios de atuação. O mapa também relaciona a mobilização com notícias que saem nas mídias e ações judiciais. Os registros são feitos pelo público em geral e moderados pelos integrantes de Organon.

Observatório Conflitos Sociais e Sistema e justiça:

O observatório acompanha procedimentos judiciais e extrajudiciais que sejam de interesse de movimentos e organizações sociais. Procuramos apresentar os procedimentos em uma linguagem compreensível e acompanhar o seu desenrolar com uma sua contextualização que considera a dimensão maior do conflito em que estão inseridos. A atualização do andamento dos procedimentos é feita a cada dois meses por pesquisadores do Organon em parceria com a Rede Justiça nos Trilhos.

In English:

Presentation

Organon is a Research and Extension Group of Studies on Social Mobilizations and it was developed by the Social Sciences Department and its Post-Graduation Program at UFES. Its central object of study is the collective action performed by social movements and civil society organizations that aim at social change by participating and contesting politics. As part of Organon, we have GETPol - Study Group on contemporary Political Theory, as well as the Map of Mobilizations and the Observatory of Judicial Lawsuits concerning collective causes.

Conceptual guiding elements

This group participates in recent debates, raised by the social and political theory, on democracy and social participation, mobilization and justice. It is understood that the enlargement of democracy cannot be obtained without raising the question of the social justice challenges. It is known that the participation and the acquirement and concretization of rights are interdependent. Therefore, we propose a number of investigations, studies and actions to work on both the development and promotion of social participation, as well on the analysis and promotion of rights.

University and knowledg

From the conception of University that encloses the Plan of Institutional Development (Plano de Desenvolvimento Institucional ? PDI ? in Portuguese) at UFES, extension is an activity that is integrated with teaching and research. Besides, the Political Pedagogical Project (PPD) of the Social Sciences course presumes a timetable with activities that should be complementary to the ones developed in class, as to enable the student to conclude the course. Thus, it is understood that the activities of extension, teaching and research should be integrated and that they are fundamental to the formation of future social scientists. Concerning that, the proposal of Organon is to always articulate in its projects the three dimensions of the university work.

Having reflected upon the educational process, we also consider that the interaction between different subjects ? technicians, academics, agriculturists, fisherwomen(men) and others ? is essential, especially when it comes to valuing the varied knowledges, not only the academic ones. The fulfilment of the Social Function of the University is intrinsically connected to the permanent and everyday interaction with society as a whole


General Principles of action

1. Commitment to projects that articulate effectively teaching, research and extension actions.
2. To remain as an autonomy space for students and researchers in general, where the decisions are to be made through the collective process of discussion.
3. To foment not only knowledge broadening, but also creativity, giving ground to innovative and experimental works.
4. Commitment to a critical posture, in permanent debate over ethic aspects of conduct in researches and extension actions.
5. To bear in mind the social function of the university and its position in a broader social and political context.
6. To go beyond the theoretical dimension and to understand that knowledge takes place in varied spaces, being one of them the one produced by the university.

Specific Action Commitments
1. Having in mind, overall, the challenges of the relations between Society and State, we promote opportunities, periodically, for the performing of public arenas while spaces for the manifestation and creative elaboration of dilemmas, differences and antagonisms present in the collective action.
2. To elaborate and support forms of bringing to light fights, flags and social demands, whether they are already established or under construction.
3. To create tools that will allow the understanding of conflicts permeating the social movements, the organizations of civil society, as a whole, as well as confrontations with the public law.

4. To project the active and political position of the University as integrated with the dilemmas and social and political conflicts, aiming at facilitating the mobilization of actions, positioning as an actor.

Internal Structure:


GETPol - Group of Studies on contemporary Political Theory

This group is dedicated to the study and research on themes of the contemporary political theory, such as: democracy, justice, participation, deliberation, representation, civil society, social movements, State and environmentalism. Its current schedule involves researches on the mobilization of Law as a repertoire of the collective action, above all, on the environmentalism. We maintain this study group, GETPol ? Group of Studies on contemporary Political Theory, holding a Biennial Colloquium in which we present the researches being done.

Public Arenas:

Public arenas for debates, open spaces for exchanging ideas, dialogue, contest and confrontation among the participants in the movements, in the organizations and in the communities; as well as between these and the actors of the State.

This proposal suggests that people make public where they stand on, what their ideas and uncertainties are, in an argumentative manner or through aesthetic, emotional and spontaneous expression. The themes and methods are defined beforehand, starting with strategies that are, already, widely utilized by social movements, communities and associations ? allowing, however, spontaneous or projected innovations.

Through experiences such as the ones promoted by workshops, meetings, field trips, toxic tours, video clubs, artistic performances, boat parades, walks, expeditions and others, we aim at fomenting spaces for manifestation and elaboration of civil society conflicts that are either internal or in confrontation with the State. We understand that conflicts are not negative; instead, we see them as fundamental to democracy ? yet, they require spaces for their elaboration and expression.

From the theoretical point of view, innovative studies on participation have stated that the emotions, the aesthetics and the experience (as situational fact, also) are fundamental to the practices of the social movements; notwithstanding, only a few studies and a few initiatives validate this.

The work developed by Organon has demonstrated that many are the civil society internal challenges, such as fighting misogyny and racial and ethnic, generational and locational prejudice. In this regard, we keep betting that the inter-thematic aspect and the spontaneity of arenas are fundamental to the participation and to gaining rights.

Map of the Mobilizations:

Mapping of formally organized and/or episodic mobilizations, relating their themes, performances and repertoires of acting. The map also relates the mobilization to news on the media and to judicial lawsuits. The registers are made by the public, in general, and moderated by the Organon members.


Observatory "Social Conflict and Justice System"

The observatory examines judicial lawsuits that are of interest to movements and to social organizations, exposing the positions that judges, prosecutors and public defenders take. We also translate technical legal terms to common language. This work is done by social sciences and law professors and students at UFES, and it relies on the collaboration of diverse social organizations and law firms.